Postagens

Perfume

Meu travesseiro guardou teu cheiro.
Inebriado, permante, sonolento,
de boa memória, ele sabe te trazer até mim.
Te tragou quando esteves aqui, sem pedir permissão, só pra que agora eu possa te sentir e me lembrar de ti, mesmo que não tenha havido esquecimento.
P.s.: Cuidado, ele tem dessas e pode fazer de novo, só pro meu
prazer.

Bem vindo ao novo, de novo, bem vindo.

Te despe, e nu mostra toda tua essência. Sem trages, costumes ou tradições. Mais do que quiser ser. Talvês diferente, talvês igual... certeza de ser verdadeiro, certo ou errado, pro bem ou pro bem e faz teu dia, teu mês e teu ano segundo tua cabeça, tua fé e tua vontade. Verbaliza o que deseja e não o contrário,  faz a tua parte e joga pro universo, quando não tiver todas as cartas, escreve pra Deus, mas faz. Faz e faz de novo porque o ano pode ser mais um, pode ser um começo, pode ser um fim e só tu pode decidir.
It's your call, your responsability, your life!

Três

Moço dos olhos distantes, como vai?
Onde te escondes, quem nem em redes sociais
compartilha 8, 16,
quem dirás 32 poses?
Uma só que seja
no fundo da foto de outro
mostrando parte da tua orelha?
Assim fico eu recorrendo à memória,
vaidosa me lembro das três vezes que te vi.
Três.
Mesmo que só te reconheça em duas
(a primeira tu és tipo mancha de verniz)
mas ainda assim são três.
Moço, por que escondes tua voz?
Se falas tão bem de brigadeiros, óleo de coco, batom vermelho e aldeídos;
Camões, Vinicius e café com nescau...
Será que falas de mim? Duvido.
Em verdade, tenho certeza que não.
Porque enquanto tu
te ocupas de outras curvas,
outros olhos,
outros cheiros,
eu, nessa prosa te desenho,
feito romântica de segunda geração  fujo pro passado,
fazendo dessa noite de novembro, 25 de dezembro.
16/nov

E ai, qual vai ser?

E se eu te disser que teu sonho já aconteceu?
É, já.
Tua casa tá pronta desde o dia que tu soube como ela é. No momento que ela veio à tua mente e de imetiado o sininho tocou, ela apareceu, lá no fim da estrada de tijolos amarelos.
E... não, não há como ser impossível de ser construída porque ela já foi. Passado. Em mais pleno, direto e claro Pretérito Perfeito do Indicativo.
Ai eu te pergunto:
Vai correr para chegar até ela ou vai perder teu tempo em outros caminhos que te levam ao nada?
Vai gastar toda tua única vida, única chance levando nas costas outra pessoa pra casa que ela construiu ou...
vai parar de se esconder, de reclamar do dedo do pé que nasceu torto e vai correr, caminhar não, correr pra chegar na casa que tu construiu e é tua por direito?
E ai, qual vai ser?
Estrada de tilojos amarelos
Ou...
Burro de carga dos sonhos alheios por pura preguiça de ser feliz?

Sendo Lírico, Eu

Quando o mundo vai entender
que ser Eu Lírico pode ser se vestir do outro?
Quando o sujeito não sabe como dizer,
a gente se veste, se despe, se pinta e se enfeita
pra alcançar a alma, pra sair do nosso corpo
e assim enxergar o que o outro sente.
É sobre empatia, amor e palavras.
É sobre desejo e vontade de escrever.
É quando a vida da gente fica pequena e o coração aperta
e o outro transborda tanto que por um momento a gente quer se afogar
e brincar de beber nem que seja uma gota da história outra que nunca vamos viver.
Ser Eu Lírico é ser mais que Eu, por um momento.
É ser livre do verbo, do sujeito, do artigo, oblíquo ou não.
E ainda assim, pedir de empréstimo alguns vocábulos,
e extravasar a alma,
até outra
alcançar.

Desencontro

Sendo moça de poucos amores, ela não sabe onde procurar
em memória sua,
qual o gatilho usar,
pra lidar com história essa de nem mesmo conseguir respirar
quando a ver passar.
Incessantemente busca por uma experiência antes vivida,
uma atitude antes tomada,
mas em vista da frustração decide
fechar os olhos e imaginar
o que agora fará.
Desenha, projeta, articula tudo.
Enquanto andarilhos sem sorte procuram nos olhos dela desejo.
Insistem.
Iludem-se.
E ficam.
Permanecem olhando para ela, conversam.
Enquanto ela deles surda, muda e cega,
ainda projeta, articula e desenha.
De corpo presente.
De mente viajante
De dúvida constante:
Como conquistar aquela que dela,
tirou o fôlego.

Quando se vai embora antes mesmo de chegar

Pra não sentir saudade
E de novo morrer
Nem me permiti.
Antes mesmo de te ter
De te querer
Fingi
Matar a vontade em garrafa sem nome, nem apreço
E assim já sei que não te mereço
Pois por medo e covardia
Nos braços da solidão me deitei
E fiquei
E dormi
E acordei
E em viola minha cantei
A tristeza do dia que nasce sem ti
E se põe
Só pra Lua me dizer
Que foi
Pra não sentir saudade
Que me perdi
De ti
(amar)