Sim, porque não será extenso; não haverá lugar para vazios.
As palavras aqui ocuparão parte do espaço: algumas gavetas,
geladeira, a cima das mesas, parte do armário do banheiro...
Mas não todo o imóvel.
A outra parte será destinada a quem desejar visitá-lo, tomar
por empréstimo alguns vocábulos moldá-los, ou mesmo senti-los.
Não será necessário bater a porta sempre que se desejar entrar,
se a causa for justa e as palavras respeitadas,os visitantes serão
sempre bem vindos.
Caso deseje deixar de lembrança alguns termos poucos ou muitos
não se preocupe com a disponibilidade de espaço,
o compactoimóvel só estará completo para aquele que não
gostar do aroma da torta de morango no forno, das rosas na
janela ou mesmo para quem se sinta grande demais
a ponto de não caber em seus cômodos.

Todos os demais,
sejam bem vindos.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Paris, um barco e uma colher de pau.



Na terra da Torre
Nas águas um barco
Nas mãos uma colher.
Sem destino, sem chegada, sem partida. Apenas ali.
No barco, eu.
Na margem, alguém para o qual eu mostrava saber remar.
Remar com uma colher.
Na terra da Torre

Uma canoa podia ser. Lugar para um, um remador.
No meio da cidade, perto da lá.
Uma lagoa, sem proa, sem chão.
Sem cidade, sem cidadão.
Apenas um, apenas eu.
Apenas o barco, a lagoa e a colher.
Descanso.

Depois do oceano, onde tudo é mais cedo.
Onde o dia nasce logo.
Onde a noite é paixão.
Onde à noite foi um sonho.
Que já de dia, acordei.

Tudo na Terra da Torre.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Sobre tinta e paixão. Sobre pincéis e saudade



Queima o céu da boca
E da boca faz-se o céu
Como pimenta malagueta
Desenhada por mãos de pincel

Pode também escorrer
Pelo rosto derramar
Desmanchando o traçado
E o verniz agora embaçado
Se desfaz, mas engana.

Engana o desavisado
Que enxerga cegamente
E se convence sem cuidado
Que o coração do desesperado
Está em festa, está contente.

Ele deveria saber
As lentes utilizar
Para assim perceber
Que às vezes a palavra faltar
Não significa dizer
Que não se tem o que falar

Mas se a tela se desmancha
A esperança se mantém
Da sala se alcança
O sabor que provém
Do forno, da lembrança
Da saudade de um alguém

A dupla cobertura
Que virá a vestir
A torta não mais nua
Desde a porta que se abriu
Trará consigo a saudade
De uma comemoração qualquer
Que pode ser da idade
Com sabor de liberdade
Da palavra que couber.

E novamente torna-se doce
Volta a apimentar
A relação com as palavras
Que traduzem sem considerar
Pudores ou amarras (algemas da alma)
Que só fazem dilacerar:
Pincéis, quadros e mãos
Prontos a se expressar.

domingo, 20 de maio de 2012

"dá pra escrever
o papel aceita
toda qualquer coisa"

~ Pouca Vogal

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Não durou o equinócio.

Ouço estalos e doem os dedos.
A temporada foi curta, como a fração de um dia e eu achei que duraria todo o outono, ao menos.
Nem claras, nem escuras, apenas desfeitas.

(Des)feitas

Transcendendo os mundos.

305, depois de passar pelo 303, depois de atravessar o corredor e se deparar com uma pequena porta, ela pôde ouvi-lo balbuciar.
Ele esteve ali, tinha certeza disso, ou talvez, ela estivera lá.

E de certeza pôde narrar quando ele chegara para o almoço.
Antes mesmo de deixá-lo entrar, antes mesmo que ele pudesse pronunciar algo.
- Sabes o que senti ao saber que tu chegara de viagem?
Ele tentou dizer algo, expressou apenas, pois fora interrompido pela cascata das palavras dela:
- Às  12:09h da tarde, senti teus dentes em meus lábios: Superior, inferior.
Desejei sentir até amanhã, até o fim do mês, até novamente te ver.
Desejei sempre sentir.
Abri os olhos, não mais te vi.
Você não estava aqui, não esteve aqui.
Fechei os olhos, você não voltou.
Teus dentes em meus lábios, às 8:00h da manhã.

Hipnotizado como se ela portasse um relógio de ouro.
Mais doce que a realidade não há, ela pode ver.
Ele estava ali.
Ela pode sentir:


Dentes em seus lábios.