Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2012

Pra cura, a pele.

ou: meu caro amor platônico
Estou curada, meu caro estou curada de todos como você,
não sei qual foi o certo que encontrei entre os remédios,
talvez o mesmo tédio que te fez aparecer.
E sem ti estou vivendo, sem fantasmas ou vícios,
equinócios e solstícios sem teu rosto desejar;
o real me consome e tu que não tens nome não me vem mais a faltar.
Só porque estou curada,
amor, estou curada de todos como você.
E se lágrimas caírem, meu rosto sucumbirem
por carne e osso serão,
por amor ou ódio,
por um nome, rosto, feição.
Tato, pele e dor,
calor do corpo real;
sem imagem, imaginação,
apenas a solução: esse necessário final.
Se algum bem um dia teu vício me fez, agradeço e me despeço
porque estou curada, platônico estou curada, de todos como você.