Sim, porque não será extenso; não haverá lugar para vazios.
As palavras aqui ocuparão parte do espaço: algumas gavetas,
geladeira, a cima das mesas, parte do armário do banheiro...
Mas não todo o imóvel.
A outra parte será destinada a quem desejar visitá-lo, tomar
por empréstimo alguns vocábulos moldá-los, ou mesmo senti-los.
Não será necessário bater a porta sempre que se desejar entrar,
se a causa for justa e as palavras respeitadas,os visitantes serão
sempre bem vindos.
Caso deseje deixar de lembrança alguns termos poucos ou muitos
não se preocupe com a disponibilidade de espaço,
o compactoimóvel só estará completo para aquele que não
gostar do aroma da torta de morango no forno, das rosas na
janela ou mesmo para quem se sinta grande demais
a ponto de não caber em seus cômodos.

Todos os demais,
sejam bem vindos.

sábado, 30 de novembro de 2013

(In) cômodo

Quarto. Era o quarto cesto que ele enchia com suas ideias abortadas de textos mal terminados e pensamentos jogadas ao vento. Era no quarto parágrafo que ele estava quando arrancou aquela folha que agonizante se prendia a sua mão embebida no suor, implorando por misericórdia, implorando para não ir ao fadado destino das anteriores, implorando por uma chance de ser o que ele desejava, mas não adiantou e ainda com mais raiva pela dificuldade de dela se livrar, amassou-a como nenhuma antes e jogou no canto, o mais longe que pôde atirar.

Nem o ventilador, nem a obra do prédio ao lado, nem o bebê que pedia atenção conseguiam tirar dele o silêncio que havia em sua mente e transcorria por suas mãos. Tanto tinha sido escrito e nada tinha sido dito que ele se sentia vazio e ao mesmo tempo sufocado por não ter conseguido expressar o que tanto o aborrecia.

                                                                                                       24/11/13

domingo, 3 de novembro de 2013

Paralelo

Talvez esteja presa ao que me prende por anos e faça dessa prisão meu lar;
quem sabe não sou eu o carcereiro, o sequestrador a pedir resgate...
posso também ser as grades, o chão e o cheiro de urina mijo (do ralo - ouso parafrasear);
o afastado quarto de cativeiro que a polícia não consegue encontrar;
à favor, contra a justiça (a lei dos homens, ouso corrigir),
encontro-me;
escondo-me;
perco-me
nesse lugar há tanto tempo que não sei, ao menos, quando cheguei, como vim parar:
Se por um furto qualquer, um um desacato à autoridade desmerecida;
Se por um sequestro relâmpago enquanto sonâmbula fazia o percurso diário,
como antes disse, não me recordo, apenas acordo todos os dias e vejo os traços na parede, as negociações ao telefone e presumo as lágrimas caindo e rostos sucumbindo do outro lado da linha.
Digo ter direito a uma ligação, mas não, dizem-me que não há linha - como não?- penso eu, se há uns instantes havia falatório lá fora...
"estás louca, havia silêncio e nada mais, deves ter inventado, aos montes acreditado no que queres se convencer"
Malditos mentiroso hão de ser!
Prisão ou cativeiro, policia ou ladrão não importa mais, se sou eu todos eles, se sou o lugar, se sou o que não sei e o pior pesadelo fui eu a pintar, a preparar aquarela e pincel, tela e jornais pela casa espalhar...
Chega, vou embora,
embora não saiba por que aqui cheguei, cansei dessa história mal inventada de frases mal rimadas que agora nasceram já deformadas sem ao menos a chance de ter a aparência que desejam ver o espelho refletir.
Se é que têm opinião...
Acabou o que restava de criatividade, acabou a paixão por hoje e quando se vai, não adianta mais insistir, não há mais o que as palavras tenham, hoje, para mim.
/31/10/ marca o calendário.
Acordo inebriada com o pesadelo da noite que teve fim.
De mente descarregada banho-me em límpidas águas do elétrico chuveiro à rugir.
Chora friamente o tanque superior, no verão desejadas, lágrimas de energia não empregada, de intenso fervor.
Deixo escorrer todo mal pensamento que ousou preencher minha mente enfraquecida que a noite - agora finda - trouxe de um lugar qualquer.
Toalha. Espelho. Café.
Livro. Varanda. Frescor.
Sem grades ou telefonemas, apenas o ar libertador da vida como deve ser, por Deus concedida e à mim cabida da melhor forma viver e ver que tudo que eu realmente precisar, Ele há de conceder.