Sim, porque não será extenso; não haverá lugar para vazios.
As palavras aqui ocuparão parte do espaço: algumas gavetas,
geladeira, a cima das mesas, parte do armário do banheiro...
Mas não todo o imóvel.
A outra parte será destinada a quem desejar visitá-lo, tomar
por empréstimo alguns vocábulos moldá-los, ou mesmo senti-los.
Não será necessário bater a porta sempre que se desejar entrar,
se a causa for justa e as palavras respeitadas,os visitantes serão
sempre bem vindos.
Caso deseje deixar de lembrança alguns termos poucos ou muitos
não se preocupe com a disponibilidade de espaço,
o compactoimóvel só estará completo para aquele que não
gostar do aroma da torta de morango no forno, das rosas na
janela ou mesmo para quem se sinta grande demais
a ponto de não caber em seus cômodos.

Todos os demais,
sejam bem vindos.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Intermitente estado

Vestida de moral em conflito,
despida de certeza e solidão,
vejo a vida feito prosa
e a verdade feito lampejo
daquele que acaba antes do último suspiro,
como a estrada que muda à cada curva,
como o espelho que reflete diferente imagem
quando nele distinta feição
encara seu (fadado)
destino.

domingo, 18 de junho de 2017

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

Não te afliges, pequena menina
De tão poucos anos e tanto aperto no peito
Não te culpas por sentir demais
Se é o coração feito pra dar vida a tua alma.

Sorri, grande mulher
E vê em espelho teu o reflexo de quem queres ser amanhã
Seja hoje o teu amanhã perfeito
Seja feito prosa, poema ou canção
Quem sabe, ainda, um soneto
Pra quando a vida metrificar
Que ainda assim seja possível
Expressar todo teu amor (guardado)

Por um alguém ou vários
Seja amigo ou amante
De uma noite ou alguns anos
Porque o tempo, menina, já é relativo
E só depende dos olhos teus
A maneira que (a vida) tu desejas
Enxergar.

18/06

Memórias feito prosa

De tantos em tantos tempos de constante transição;
entre cachos feitos e cortados,  desfeitos à mão.
Seria essa vida então construída (de)
lamparinas, varandas e ampulhetas,
sono, socorro e entrelinhas,
de um alguns versos ainda não escritos
[Por sorte (e)
por espera do tempo que ainda vem]
de folhas ainda em branco
esperando da areia que estar por cair
lembranças ainda mais intensas
daquelas que na memória
fazem morada.