Não te vá, não me deixa ir, de ti.

Como te colocar em fadado transporte
sem sorte esse, pra nunca mais te ter de volta?
Sem nunca mais te acessar, em memória?
"De volta", como (?) sei, se nunca te tive "de vir"...
Mas te tirar da mente e expulsar toda inspiração que me traz não parece o certo a fazer.
Esquecer é fora de questão.
De quisito.
Não cogitado.
Deixar pra trás,  pra aliviar espaço, pra quem (?) vier, mas...
Se pra trás chover? E em tempestade desafortunada assim tu te afogar? E sofrer? E morrer de mim, em tu, assim que aos poucos morreres em mim, tu...
Só de pensar não durmo.
Só de pensar não sonho.
Só de pens...
Desisto de pensar.
Desisto de te deixar partir.
Seja de barco,
navio
ou canoa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mais um ano de presente

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

Sobre resgate